16 de out de 2011

O vento fazia com que a rede em que estávamos balançasse devagar e, ao fechar os olhos, eu podia voltar ao passado e me enxergar de novo, no balanço que ficava no quintal da minha avó.
Eu fazia o maior esforço para impulsionar o balanço. Essa sensação era boa.
Eu sorria sem ter um porque aparente, agora.
Tenho mil razões internas pra gargalhar o mais alto possível.
Talvez porque ao seu lado eu me sinta livre, feliz, como uma criança novamente.
Minha cabeça está leve, meu coração tranquilo e meu estômago cheio.
Cheio de borboletas teimosas que insistem em me deixar ainda mais maluca ao seu lado.
Tudo uma característica do momento, fazia parte.
Ele, a rede, o vento frio, as lembranças e aquela sensação.
A tal sensação que descobria ali, que ao lado dele eu sentiria pra sempre.
E daí, eu tenho tudo o que preciso comigo.
Meu passado, meu presente e, espero que, meu futuro.
O momento é esse, o lugar é esse e a rede consegue nos segurar, e ainda aguentar minhas duzentas borboletas internas.
Eu amo essa rede!

Um comentário:

  1. Ah, nada, você ama é quem está com você na rede, boba ;P

    Lindo, lindo post, florzinha! *---*

    Beijinho :*
    http://penso--logo-escrevo.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Comente, opine, se expresse. Esse é o seu espaço. Que ele seja doce !