30 de set de 2012



"Que setembro seja melhor e supere todas as angústias, medos, inseguranças e azar de agosto."

Querido, setembro, é isso o que eu esperava de você. MESMO. Mais afeto, mais segurança, mais vontade e menos comodidade. E você fez valer cada desejo meu. Você trouxe de volta o ar limpo. Foi-se embora os casacos pesados e entraram em cena os vestidos floridos. Você trouxe esperança, setembro! Eu tinha medo de comprovar a verdade: os ventos de agosto são realmente frios e o inverno ultrapassa nossos casacos e chega sim até o coração. Mas aconteceu comigo. Agosto quis me enganar no início, trazendo algumas chuvas de felicidade, mas em compensação, trouxe avalanches de insegurança, medo, ciúme, dor, tristeza e muita dúvida. Só me restava a esperança do seu nome, setembro. Perfumou o ar com suas fragrâncias, as doces são minhas preferidas. Varreu com seu vento todo o sentimento ruim que se alastrou embaixo dos meus tapetes, nos cômodos escondidos da casa e matou as flores do meu jardim. Colocou todo dia na minha janela uma flor, pra não me deixar esquecer que é você que eu vivo. Quero flores que caiam sempre em bem-me-quer, com perfumes que não enjoem e atraiam apenas coisas boas. Deixe agora comigo uma flor que não morra, pra que haja esperança pra sobreviver aos próximos dias sem você. Deixarei todas as janelas abertas pra que seu perfume invada todos os cômodos da casa. Abrirei portões, colherei flores e semearei no solo dos outros, pra que a mudança não ocorra só em mim. Daqui em diante, quero que seja sempre setembro em mim, porque em setembro os pássaros cantam mais alto, os corações dão sorriso através dos nossos olhos e a esperança anda de mãos dadas com a gente pela rua, sem medo de ser levada pela tempestade que chega sem avisar. Que setembro seja todo dia e todo dia seja setembro.

29 de set de 2012



Como é dificil enxergar uma situação como ela realmente é: nua e crua.
 Então, desde o início eu tentei deixar lá. Sozinho. Esquecido.
 Mas acontece que uma hora tudo o que a gente sente ou mantém vivo dentro de nós vem à tona. 
 Não seria exagero dizer que é necessário fazer uma faxina, de vez em quando dentro da gente. 
Há algo dilacerando o que há de melhor em mim. 
Eu preciso me esvaziar de tudo. Preciso por em ordem a casa e meu coração.
Limpar as gavetas com recordações e simplesmente jogar fora.
 Cansei de ser refém do meu próprio coração. Cansei de fingir indiferença diante daquilo que me doía de verdade. Cansei de toda essa minha educação e reverência diante de um amor que na verdade nunca existiu, a não ser na sua uniteralidade. Um respeito quase que imaculado diante de idealizações criadas por um coração doente e masoquista. 
 E então, sem perceber, vivi em uma prisão que só me permitia enxergar o sol pelas frestas.
 E sabe, diante de toda essa existência sofrível do amor em mim, eu realmente decidi que há tantos outros sentimentos bons por vir. Há tantas pessoas que gostariam de receber todo o amor que há dentro de mim, e que sim estariam dispostas a ficar.
 E sei, que hoje hei de sofrer. 
Mas não dizem que o tempo cura tudo? Então, eis-me aqui tempo à tua disposição.
Sem mais. Sem choro.


- inspirada no blog 'Pedaços.'

26 de set de 2012

 
  Encerrando ciclos: Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira.
 Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. 
Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és.
E lembra-te : Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão.
 
Fernando Pessoa


Tem sido um longo dia.
 Presa pensando nisso dirigindo na auto-estrada, querendo saber se eu realmente tentei tudo que eu poderia. Sem saber se eu deveria tentar um pouco mais.
 Mas eu estou morrendo de medo. E eu confesso que eu só estou segurando por um fio fino.
Eu estou chutando o meio-fio porque você nunca ouviu as palavras que você precisava tanto. E eu estou chutando a sujeira porque eu nunca lhe dei o lugar que você precisava ter. Estou tão triste, triste.
Tem sido uma longa noite sentada aqui, tentando não olhar para trás.
 Ainda olhando para a estrada que nunca seguimos, eu me pergunto se o que eu escolhi foi o certo.
Ah, mas eu estou morrendo de medo, pode não haver outro como este.

17 de set de 2012






Sorria menina. Lava o rosto, pinta a cara, ergue a cabeça. Calça um salto, endireita a coluna, sai pra rua. Segue em frente, encare o horizonte, busque o infinito. Sorria menina. Deixe a dor, já dizia a minha avó, dá beijinho que cura, procure novos lábios, vai atrás de outros remédios. Sorria menina. Levanta dai, sai desse marasmo, esquece essa tristeza. Liga o rádio, dança em frente ao espelho, esquece esse regime louco e se entope de doce, toma um banho gelado, colore o cabelo. Sorria menina. Desfila com um cara novo, um modelo 6.0, desses com músculos no cérebro, apaga as indiretas, apaga o sentimento, apaga a saudade, apaga as lembranças, apaga ele dai de dentro. Sorria menina. Fique firme, fique forte, aperta o peito, livre-se da dor, escreva um texto bonito para aquele que é perfeito pra você, mas que ainda não te conhece, seja racional, seja só razão. Sorria menina. Liga para aquele seu amigo, manda uma mensagem para aquele garoto que sumiu, vai até lá fora como quem não quer nada e analisa quanta coisa melhor te espera, coloca aquela blusa branca que você morre de vergonha de usar, solta o cabelo, cante no chuveiro, liberte-se do sofrimento. Sorria menina, o mundo não tem botão de pausa.
Vai viver!

15 de set de 2012



“Ninguém nunca mereceu o meu choro, nem a falta de apetite.”
- Cazuza.

O tempo não volta, mas eu não me importaria se um cientista metido inventasse uma máquina do tempo.
Daí eu não ligaria de voltar uns anos para consertar os passos falhos, os caminhos tortos.
 Mas não adianta ficar aqui na esquina esperando pelo dia em que você vai olhar para o lado e perceber que sente a minha falta. Não adianta eu perder mais um dia da minha história por você.
To deixando o barco, esse mesmo que você já abandonou faz tempo.
To indo atrás do que me faz bem.
Cansei dessas noites mal dormidas, e dessa angústia que é não saber quando você vai vir livrar meu peito de tanta dor.
 E que sejamos felizes cada um em seu caminho.
E que agora seja mesmo o fim, porque dessa vez eu estou disposta a encerrar o jogo.
Adeus, fui ser feliz.

1 de set de 2012



E um arco íris como um aviso do céu:
É proibido não ter esperanças.
Só porque é Setembro."  

- Cris Carvalho


É quase setembro, as rosas começam a reinar. Tem uma felicidade embutida em meu corpo que voa.
Solto as mãos e me jogo.
A certeza que o mundo gira devagar me abrange, as peças desse quebra-cabeça se modificam. Sou a peça chave do meu jogo. Das minhas certezas, sou devota, dos meus erros, sou verdade, das minhas doçuras, sou vaidade, dos meus medos sou metade. E de mim sou inteira.
Essas dores físicas, vazios empoeirados, choros e angustias interiores quero deixar presos num inverno de qualquer estação ultrapassada.
Mas ainda escuto ecos dos meus sentimentos.
Emprestei um riso da primavera que virá, devolvo quando você voltar.
Então, agora eu quero perfume, eu quero flores, eu quero céu azul e um sol pra iluminar meus dias.
Eu quero desenhar um setembro colorido. Eu quero cada cor do arco-íris.