30 de mar de 2012

 

Um grande amor é aquele que não faz seu coração parar no primeiro olhar, e sim acelerar a ponto de parecer que não irá mais caber em seu corpo. Um grande amor é aquele que faz você se sentir especial, mas no fundo não tão boa o suficiente para ele.Um grande amor é aquele que você tem medo e a insegurança de perdê-lo, pois você não se enxerga sem ele.Um grande amor é aquele que te mata de saudades. Que faz você se sentir sufocada e presa a uma agonia terrível só pelo fato de não se verem a alguns instantes.Um grande amor é aquele que você sente raiva nos momentos de desentendimentos, mas essa raiva nunca predomina o amor. Basta você lembrar-se do sorriso da pessoa amada, que parece que involuntariamente você começa a sorrir.Um grande amor é aquele que faz nossos olhos se encherem de água só de cogitar um adeus.Um grande amor é aquele que sequestra nossos pensamentos.Um grande amor é aquele que pode até não ser perfeito, mas aos nossos olhos ele não apresenta nenhum defeito. Ele é lindo do seu próprio jeito e ninguém se compara a ele.Um grande amor é aquele que se o machucam você se sente ferida por tabela. O defende com toda a garra, pois ninguém no mundo parece ser mais importante. Um grande amor é uma coisa única que sentimos no coração.
MEU GRANDE AMOR É VOCÊ!

# 8 meses 

18 de mar de 2012

A noite caiu. Todo quarto é iluminado pelo brilho prateado da lua. Eu deixo que a luz se abata sobre mim feito gotas de sereno.
Aqui na cama, você dorme tranquilo em meus braços.
Chega a ser engraçado sabia?
Atravessei anos a fio rasgando-me e remendando-me. Implorando por um milagre.
Agosto chegou com promessa de vida através de olhos doces, risos tímidos, palavras encantadoras, distâncias desesperadoras.
Aos poucos, você destrói minhas frágeis barreiras e se instala em mim.
O tempo passa, e eu me deparo com um sentimento novo nascendo aqui dentro.
Eu grito: não! Mas já é tarde. O sentimento continua crescendo e hoje, é ele que me dá certeza de que é você que eu quero nos dias torturantes, noites de tempestade e manhãs de sol quente.
Nunca me senti tão forte e tão segura de que tudo pode dar certo.
Irônico eu sei. Sou sempre tão frágel e insegura.
Mas afinal, o que eu sinto hoje é real, quase palpável.
Olho pra você no meu colo. Sinto o calor da sua respiração, o seu cheiro.
É, fomos feitos à mesma medida. Especialmente um para o outro.
Almas que se completam, se desejam.
A verdade é que eu sonho, faço planos e me encanto vendo que esses planos são seus também, são nossos.
A escolha foi nossa. 
Escolhemos caminhar lado a lado: apoiando, confortando, amando.
Escolhemos construir um futuro juntos.
Porque amor é acima de tudo compromisso e dedicação.
É acreditar que juntos criamos algo maior do que conquistaríamos separados.
E então percebo, ganhei o meu milagre: você!

1 de mar de 2012


Eu vi: cuidado é um presente. Dádiva. Zelo. 
O encontro de duas almas, uma disposta e uma outra tão entregue, tão precisa. 
Cuidado é um olhar que repousa, um abraço que descansa, uma noite mal dormida. Uma palavra muda que esgarça o seu bordado de silêncio mais compreensivo e revelador. Um nó na garganta caindo por terra.
Não estou falando daquele cuidado enfeitado, planejado, cheio de compromissos. Não estou falando daquele cuidado matemático que calcula os nossos pontos fracos.
 Estou falando do cuidado que é próprio, daquele que rompe a nossa preguiça.
 É que, assim como o amor, o cuidado só corre bem quando é entrega, quando é o outro dentro da gente, quando é a possibilidade de uma calmaria, uma intuição bem resolvida, um esclarecimento. 
Cuidado não é uma tentativa. Não é uma válvula de escape. Cuidado é poesia pronta que nos conta novas saídas. É inaugurar sol dentro do outro em dias feitos de chuva. 
Cuidar é ofertar ao outro um barco nunca antes usado, um abraço nunca antes pertencido.

Cuidado é recomeço para dois ou mais sorrisos.
Era doce, a menina. Trazia certo mel nas palavras e era incrível o poder que tinha de me fazer sentir bem.
Mas era doce e triste. 
Confesso que poucos podiam ver a sutil tristeza que existia em seu olhar. Apesar de ser  intensa no seu íntimo. 
Seus olhos eram pintados de uma nostalgia utópica e, não sei porque, me lembravam sangue. Dentro deles havia um rio inteiro que corria devagar, para não assustar os passantes.
Eu quero te proteger, pequena. Quero ter braços longos o suficiente para te aquecer.
A noite segue lenta, sem se abalar com o que acontece aqui. 
Olho as estrelas e não consigo deixar de pensar em ti. 
Quis voar. Então, percebi meu corpo ficando mais e mais leve. 
Vi meus pés saírem do chão. Era você que flutuava.
Você tinha asas tão bonitas como as das borboletas, minha menina. Voei com você. 
E implorei:"Por favor, linda garota não se detenha nessa esquina tão insegura. O universo nos espera". Acalmei, enfim. Adormeci.