11 de jun de 2012


Quando criança costumava chorar demais, e confesso que as coisas não melhoraram muito de lá até aqui.
 Sabe, meu copo de emoções é pequeno e transborda fácil em rios de sentimentalismo.  Daí escrevo. Que é pra não ficar nada guardado no peito. 
Escrevo pra algemar a tristeza nas palavras e ela virar poesia.
Escrevo agonias. Escrevo alegrias.
Daí escrevo doçuras.
Invento. Imagino. Conto. Re-conto.
Esvazio o coração para enche-lo novamente.  A cada dia. 
Palavras, apenas. Palavras ao vento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Esse é o seu espaço. Que ele seja doce !