19 de out de 2012





É uma lição que aprendi melhor com Grey's Anatomy do que com a vida: nem sempre os finais são felizes. 

E o que vem depois? Outro dia, sempre. 
Como no seriado, às vezes aqueles 5% de chances de sobreviver dão certo. Às vezes, não.
Amanhã há outro dia para se engolir os traumas.
Como tudo parece sempre derradeiro, a gente quase se mata antes da hora achando que a vida está querendo mesmo é nos matar. E lá vai drama, vem drama, e assim por diante, em cada novo desespero, falha, espera, angústia ou medo. A gente se apavora toda hora, essa é a verdade.
Nem esperamos mais o sol de amanhã, mas ele vem de qualquer forma, mesmo que ninguém abra a janela. Eu já o mandei embora, já pedi para ficar, já implorei que chegasse mais cedo ou que nem chegasse.
  É que a gente não espera que a vida possa ser boa, terminar tudo bem ou, quando termina, trazer novos caminhos. 
Em certo ponto não se espera mais nada, e é compreensível. A gente já espera tanto, não acha? 
Paciência, amigo, paciência... 
Como já disse, Grey's Anatomy me ensinou que até mesmo a pior surpresa, o final mais trágico, tem um "quê" de novos tempos. 
 A vida brinca. De bambolê, pular corda, iô-iô, seja lá o que for. Ela quer mais é que a gente entre nesssa loucura e dê um jeito de sair rindo. Mesmo que o brinquedo quebre.
(E qualquer errado vira um final feliz.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente, opine, se expresse. Esse é o seu espaço. Que ele seja doce !